• Victor Zequi

Resenha: Fotografação, de Lauro Escorel

Atualizado: 27 de Nov de 2020

postado também no letterboxd (https://letterboxd.com/zequi/)

Visões do Brasil: por José Medeiros


Fotografação conta um pouco da história da fotografia no Brasil, desde a chegada do primeiro daguerreótipo ao país em 1840, percorrendo todo o processo de registro, documentação e propagação de imagens do território brasileiro preconizada por D. Pedro I até a democratização da fotografia e sua posterior influência na fotografia cinematográfica; passando por exemplo, pela histórica viagem do Mário de Andrade pelo Brasil, onde fez muitos registros notáveis.


O foco do filme é, certamente, a fotografia documental; as fotorreportagens, representações e a memória da cultura fotográfica brasileira (e como isso veio influenciar a ficção, em filmes nacionais que buscaram, cada um à sua maneira, retratar uma ideia/visão de povo brasileiro). Alguns nomes destacados são os de Marc Ferrez, Pierre Verger, Hildegard Rosenthal, Marcel Gautherot, Luiz Carlos Barreto, entre outros e outras fotógraf@s que não só registraram, mas sobretudo, lançaram sobre o Brasil seus olhares pessoais.


Um ensaio bastante rico e deslumbrante imageticamente, com reflexões valiosas sobre a história mutante do ato de fotografar (a fotografação). Tudo ilustrado com registros de gigantes que lançaram seus olhares especiais para o nosso país de maneiras distintas, e que ajudaram a formar a ideia de Brasil que se tem hoje (dentro e fora do país!).





Quem assiste ao trailer pode achar que o filme se propõe a lançar uma investigação a respeito da fotografação digital e contemporânea, tema com o qual Lauro abre o filme. Mas isso (junto a quaisquer referências de nov@s fotógrafos brasileiros contemporâneos) é sequer explorado em profundidade, o mérito do filme sendo realmente a pesquisa histórica apaixonada, e alguns depoimentos bastante enriquecedores (entre as quais está a gigante Maureen Bisilliat), restando ao final até um – raro – gostinho de “quero mais”  (talvez por isso mesmo ninguém na sessão tenha se levantado até terminarem os créditos); o filme é curto, e certamente havia tempo de sobra para discutir mais a fundo a questão sobre a fotografia contemporânea, com a qual se encerra um pouco prematuro.


Muito interessante! Um filme para apaixonados por fotografia (e principalmente, pelo Brasil).

Sou suspeito pra falar.


Assistido no Instituto Moreira Sales Paulista.

12 visualizações0 comentário